Arquitetura Escolar.pdf

April 16, 2018 | Author: Luiz Eduardo | Category: Standardization, Schools, City, Libraries, Economics
Share Embed Donate


Short Description

Download Arquitetura Escolar.pdf...

Description

DORIS C. C. K. KOWALTOWSKI

ARQUITETURA o projeto do ambiente de ensino

Apoio

ESCOLAR

lidade construtiva da arquitetura moderna, na qual faltava detalhamento e especificações dos materiais de acabamento (Ornstein; Borelli, 1995). A arquitetura externa representava a consolidação da modernidade pelas formas geométricas simples e o concreto aparente, ruas e pátios internos. Porém, certos detalhes importantes foram negligenciados, como a alocação da biblioteca entre salas de aula, os sanitários distantes das salas e os confortos térmico, acústico e de iluminação, que foram, muitas vezes, preteridos em função da forma.

. . O período de 1960 a 1990

Para Artigas (1999), a situação vivida pelo Brasil no final da década de 1950 e início de 1960 exigia uma nova concepção na arquitetura, com prédios educacionais que aplicassem as novas técnicas construtivas, como os elementos pré-fabricados. Para Buffa e Pinto (2002), nos anos 1960, as referências arquitetônicas estavam consolidadas com os preceitos da arquitetura moderna. O processo construtivo dos edifíc ios era o de estrutura de concreto independente, com destaque aos pilotis, que srcinavam pavimentos sem fechamentos, para funcionarem como pátios de recreação. Os fechamentos dos demais pavimentos eram do tipo alvenaria de tijolos, com coberturas de telhas de fibrocimento sobre lajes pré-fabricadas, ora aparentes, ora posteriores à platibanda. Na falta do telhado, a laje era impermeabilizada e se estendia em forma de marquise de acesso e proteção de entradas e circulações externas (FDE, 1998a).

Nos ambientes internos, os pisos eram tacos de madeira; ladrilhos cerâmicos para os sanitários e circulações; escadas de concreto revestidas de granilite; o galpão era cimentado; as janelas eram de caixilhos metálicos (ferro) e, para a ventilação cruzada nas salas de aula, tubos circulares de cimento amianto embutidos nas paredes, do lado oposto às janelas; as portas eram de madeira do tipo embuia envernizadas (FDE, 1998a). Um exemplo de escola paulista é a Escola de Guarulhos, projeta por Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi, em 1962 (atual EE Conselheiro Crispiniano). A Lei de Diretrizes e Bases (n. 5.692, de 11 de agosto de 1971) atribuiu ao Estado a responsabilidade pelo ensino fundamental (Brito Cruz; Carvalho, 2004). A questão da demanda escolar era cada vez mais crítica em muitos Estados. No Estado de São Paulo em especial, não era tarefa simples pensar numa rede de escolas, definir quantas e onde seriam e a quem atenderiam. Também era preciso saber quanto custariam, pois a verba era limitada. Para vencer esses desafios, o novo sistema de construções escolares era simplificado, distribuído em um grande corredor que dá acesso às dependências escolares, com paredes de alvenaria de blocos aparentes de concreto; o teto de laje pré-moldada, com cobertura de telhas de fibrocimento. A modéstia dos 90 A E

materiais empregados é consequência da política governamental de diminuir custos e prazos de construção (Xavier; Lemos; Corona, 1983). Em 1976, foi criada a Companhia de Construções de São Paulo (Conesp), cuja proposta era sintetizar e elencar as principais informações necessárias aos projetistas para a elaboração dos projetos. Para tanto, foram elaboradas normas para cada etapa, baseadas em catálogos de componentes deserviços, conjuntos funcionais e seus ambientes, além das normas para apresentação dos projetos e para a composi ção da estr utura funcional das escolas. Os escritórios de arquitetura eram contratados para esse tipo de prestação de serviços, para agilizar a implementação das edificações, mediante concorrências públicas (Ornstein; Borelli, 1995). A racionalização era, de fato, a única maneira de suprir a demanda. Em vez de optar pela aplicação de um “projeto padrão”, os responsáveis da Conesp preferiram seguir o caminho do processo de projeto com a normatização de componentes e geometrias do prédio e seus ambientes: uma modulação de 90 cm x 90 cm em planta baixa, para faci litar a a rticulação entre os módulos; para a modulação vert ical, um multimódulo de projeto com 20 cm. Os programas arquitetônicos definem a quantidade dos ambientes e as respectivas áreas construídas, múltiplas de 0,81 m. O dimensionamento das salas foi estabelecido em 51,84 m2 de área construída para as salas de aula comuns ou multiúso, e de 77,76 m2 para as sa las de aula prática. As dimensões em planta para as salas comuns eram de 7,20 m x 7,20 m, de eixo a eixo (Conesp, 1985). O pé-direito mínimo dava condições adequadas de iluminação natural em toda a sala, de modo a garantir as condições de leitura e estudo em seu interior. Os arquitetos procuravam soluções adequadas a cada local e a cada situação, pelo sistema de padronização, que definia dimensões, processos e materiais. Além de racionalizar a construção escolar, criou-se o módulo “embrião” (composto de duas a seis salas de aula; direção e administração; sanitários e quadra de esportes) e espaço previsto para futuras ampliações. Simplificava-se o padrão construtivo para um atendimento mais rápido à co nstante demanda de novas escolas, ampliações ou reformas (Soares, 1995). As especificações descrevem o ambiente escolar com mais detalhes: caracteri zam os usuários por f aixa s etárias, os cur rículos a serem ad otados, e os objetivos e conceitos do prédio escolar, com aspectos das exigências funcionais e operacionais, flexibilidade no uso dos espaços, a possibilidade de ampliações e recomendações para uma simplicidade de projeto racional no sistema construtivo e o aprovei tamento da industrialização. As especi ficações incluíam o conforto ambiental, a avaliação do clima local em relação à insolação e ventilação, sem o detalhamento para o conforto ambiental, posteriormente padronizado pela FDE (Fundação para o Desenvolvimento da Educação), mostrado na Tab. 3.1.

Arquitetura escolar

91

T

. . P

FDE Ambiente

Pé-direito (m)

S

P

Nível de iluminação (lux) Instalações

Administração

2,40

300

Professores

2,40

300

SaladeAula

3

Sala de Leitura

3

300 500

Interruptor,tomada,telefone,luminárias Interruptor,tomada,luminárias Tomadas,luminárias Interruptor, tomada, luminárias, telefone, FM /TV

A capacidade do número de salas de aula varia de 2 a 23 Forro obrigatório (exceto no galpão) Iluminação fluorescente Pintura semi-impermeável até a altura do peitoril Iluminação mínima: 1/5 da área do piso Ventilação mínima: 1/10 da área do piso Ventilação cruzada obrigatória nas áreas pedagógicas Fonte: FDE (1997).

Essas recomendações mínimas referentes ao conforto ambiental escolar têm como base a legislação vigente (Quadro 3.1), com dados de dimensões de ambientes, de aberturas, recomendações para circulação, escadas e rampas, número de sanitários e alguns níveis de conforto lumínico, embora sem indicações de conforto acústico, fator essencial ao processo de aprendizagem. As especificações escolares consideram importantes os fatores de acessos e fluxos do entorno e no interior da escola em relação à infraestrutura urbana e às vias de trânsito, e recomendam estudos especiais para a implantação de um projeto e da topografia do local. O programa de necessidades proposto pela atual FDE em São Paulo é composto de conjuntos funcionais: pedagógicos, de serviço de vivência, apoio técnico e administrativo (FDE, 2003a, 2003b). Há critérios para o dimensionamento de uma unidade escolar em f unção das áreas úteis e de circulação e dos elementos cons trutivos. O dimensionamento baseia-se em uma modulação de 90 cm x 90 cm no eixo das paredes, que resulta em uma sala de aula padrão de 51,84 m 2 (7,20 m x 7,20 m). Os atuais editais de concursos para obras de novas escolas ainda são orientados por essas especificações. Portanto, o prédio escolar do ensino público, principalmente no Estado de São Paulo, é controlado e, em relação ao programa de necessidades, as edificações são padronizadas por programas fixos e fechados, determinados pela Secretaria de Educação do Estado. O Quadro 3.2 apresenta os programas arquitetônicos atualmente em vigor no Estado de São Paulo. Os projetos escolares ainda devem basear-se nas configurações dos ambientes. A Fig. 3.15 apresenta desenhos de ambientes e layout entregues aos profissionais para o desenvolvimento de projetos escolares. 92 A E

°

. iro át i n sa ao a im x ó r p 2; m 6 e d a im n í m ae r Á

° ) o çaã u n it n co (

P S,

., E . .O D

.P S

E

l a n io c n u f o tr o f n o C

rto fo n o C

e d la ic itfi ra o ãç a in m u l eid l veí N

a d /8 1 e d la r u ta n ão ça in m u ;ilx u l 0 0 3

o ic m r é t o tr fo n o C

o rr fo m co m 0 7 , 2 e d o m i n í m o t ei ir -éd P

a d e ad te m m co ãço la ti n ve; iro taó g ri b o

o c i ín m lu

N : / /

SS

.S P S

R E .

te n e i b m A

Q

94 A E

io êm r G

s a u d re t rá vee ,d

2

m 0 2 1 e d r o ai m r o f ae rá a o d n a u Q

o m c, o im ín m o n ,s a d así

o ãç et o r p m co at r o p ; 2 m 0 1 e d a im n í m ae r Á

. o is p o d ae ár a d /5 1 e d la r u atn o çaã n

; o is p o d ae rá a d /5 1 e d o çãa in m lu I

.s re o d e o r ar t n co

. so i p o d era á

-i m ilu ; x lu 0 0 3 e d ão aç in m u l eid l veí N

. et an in m u il ae rá

, te n a in m liu ea . ár 2m a d 0 6 , 2 / 0 1 e m d o o c m i ãço n í lai m t m n e u V e

o rr o f m co m 3 e d o m i n í m o it rei -éd P

e ad et m m co ãço lai t n v;e iro taó g ir b o

te n a in m o it lu i rei ae d -é ár p a 2; d . 2 / m te 1 0 n 6 , a m 0 n i o e c m o d lu ã o i ç m ea lai in ár tn í a e m d V e

e d ú sa e d laa S

e d o rt en C

u o ar u ite l

ca et o li b i B

. o is p o d ae rá a d 8 /1 ed o çaã n

im u li ; x u l 0 0 5 e d ão aç in m u l eid l veí N

. a g u f a d o d ti n es o n ar u rte b a

a in t an C

. x lu 0 5 2 e d ão aç n i m u ile d elv í n

. m 0 7 , 2 e d

. arl et al ão ç te o r p e d s o ad r b m la re t o d a d n e m o c er É e,t en lm iac ifi tr a a d a in m u l i o d n a u Q

. x lu 0 0 1 e d to n e am n i m u ile d elv í n

.l s-u e rt o lan ci n er fee r p o ãç at n e ri O e d ar ad u Q

se rt o p s e

o n s; to n e m vai p s o s o d to

ar a p a m ;u s a n u al 5 2 ar a p ai rá ti

io r taó va l m u e s o n lu a 0 4 ar a p

em , o esx r o p s o d raa p Se

an s iac a b a m u , o im ín m

rio ó cti m m u ;s o n lu a 0 6

e d o d o ríe p o raa p s o d la cu alc ,s a n lu a u o s o n u al 0 4 raa p

á-t i an s s iac a b s a d s o t en m it ra p m o c s ;o o çãa t lo r o ia m

s o ixe s o er t en m 0 ,9 0 e d as im ín sm e õ s en im d m o c s ai r

e d m 5 ,1 0 e d esr vi l s o ã v m a ixe d sat r o p s ;as e d e ar p s a d

et ra p a n , o im ín m o n , m 0 ,3 0 e rr io fe n i et ra p a n ar u lta

e d a m i ín m la r tu a n o ã aç n i m u ile d era Á

ain m u il e d elv í ;n o is p o d ea aár d 0 1 / 1

ão ç lai t n v;e m 0 ,5 2 e d o im ín m o ite ir -éd P s io árt i n a S

: o xe s r o p s er o ss ef o r p raa p s iar át i n sas e çaõ la st in r; io er p su

. x lu 0 0 1 e d ali c fi ti ar to n e m

. et n a n i m lu i ae ár a d e d tae m m o c

; al au e d s laa s 0 1 ar a p io r ó at va l m eu ia átr i an s ai ac b a m u

:s o rái n io c n u f e o ãç ra sti in m ad a

m u e o ri ó at va l m u , io r tó ci m

ar p o xe s r o p s o id d vii d

u m , ai árt i n as iac a b a m u

o d at p a d a o ir á it n as m u s; o i ár n o cin u f 0 2 raa p ro i ve u h c

e T N B A a d s a m r o n s a e m r o f n o ,c sc o i ísf se t n iec fi e d raa p

. o s esc a m o lc ca o l em o d la tas in

2

° ° ) ãço a u in t n o (c

P S,

., E . .O D

.P S

E

l a n io c n u f o tr o f n o C

SS

S

R E .

Q

s o id sec rc a s; o n u al 0 0 2 s. o té n a lu a ar 0 ap 0 m ar1 a 0 5 p ,1 : m ra u u e g r o xe al s ro a n d e ca M

rto fo n o C

. o is p o d era á a d

o ic m r é t o tr fo n o C

o çã ilat en ;v m 0 5 , 2 e d o im n í m o t ei ir -éd P

. te n a in m liu ea ár a d e d tea m m o c

o c i ín m lu

.S P

raa p m u o m i ín m o :n s o ri ev u h s;c o n u al 0 0 1 a ad c ar a p

0 1 / 1 e ld ar u at n ão aç in m u ile d ae r Á

N : / /

m 5 e d ear á m c,o o xe s r o p s o ad r a p es s o t en im rat p m o C

te n e i b m A

s iro itá s e V

e d s o d cis er a;c 0 0 5 a 1 0 e2 d o n u la / m 7 0 0 , 0 e d

/ m 3 0 ,0 0 e d s o id sc rec a; 0 0 0 . 1 a 1 0 5 e d o n lu a/ m 5 0 ,0 0

s re o d rer o C

; 0 0 .0 1 e d et n e d ec ex o n lu a

-a t o l a raa p s er o d rer o c s o d o t en am n o is n e im d o em u eg S

lu s er a ráe s o çãa t o l a d o l cu álc ;o s to n e im va p s o d o çã

e d tae m a isa m o t en m iv a p o d ão taç lo a d a m so a d et n ta

a; s er o ir e p u s te n e m at ia d e im s to n e im av p s o d ão ça t o l a d

r io er p u s u o la u ig re vil ar tlu a ert ár vee d a p m ar u o a d ac es

+ a 2 < m 0 6 , 0 :s u ar g e d s o d to en am n io s n e m i d ; m 2 a

o m xi á m o h le p es e m 0 ,3 0 e d o im n í m so i ,p m 5 6 , 0 < L

,s to er se c n la; e u q el m e s o h c ret e sm s a d csa E . m 7 1 , 0 e d

ro e m ú n ses e d a m cai :s u ar g e d 6 1 o d an ss a p ar lt u ão n

. m 5 , 1 a r o rie f n i o ã n ãso n te xe m co ra am at p erv a h ev e d

e s a d a sc E

s a p am R

s ar ie ad c ar a p e, % 2 1 e d a m xi á m o açã n lic n i m o c s a p m a R

o ir ó at g ri b o é; a m xi á m o ã aç in cl ein d % 6 m o c s, a d o r e d

i-v a p e d o is p m co s o i d ér p s o n s ro ei g as s a p e d r o ad ve el

irt ar p a a d ta n co m 0 1 e d l cai tr ev cia n ât is d a m u a o t en m

o t en m g se a d a C . o e rré t ar d n a o d ar i le so a d elv í n o d

, o sã en xte e d m 2 ,1 o m xi á m o r,n te á evr e d a p am r e d

o n m o c, e d a id la t o t a ,n a p m ar e,a m 0 ,8 1 e d ra m at a p

.s to n em g se o tra u q o m ix á m

Arquitetura escolar

95

) m ( .t i n u a e r Á

6 ,9 2 1

6 ,3 5 4

0 ,2 6 1

2 7 , 9

2 ,9 5 2

8 4 , 6

4 ,8 1 5

2 ,9 5 2

6 7 ,7 7

6 9 , 2 1

2 ,9 5 2

3 5 , 0 1

.t n a u Q

1

1

1

1

1

2

1 5 / 2 1

2

1

1

1

1

) m ( t.i n u a e r Á

6 ,9 2 1

0 ,4 2 3

6 ,9 2 1

2 ,7 9

4 ,4 9 1

8 ,4 6

4 ,8 1 5

2 ,9 5 2

6 ,7 7 7

6 ,9 2 1

2 9 , 5 2

3 5 , 0 1

t. n a u Q

1

1

1

1

1

2

1 1 / 8

2

1

1

1

1

) m ( .t i n u a e r Á

2 7 , 9

0 ,2 6 1

8 4 , 6

5 2 7 , 9

6 9 , 2 1

4 ,2 3

4 ,8 1 5

2 9 , 5 2

6 ,7 7 7

6 ,9 2 1

4 4 , 9 1

8 4 , 6

t. n a u Q

1

1

1

1

1

2

7 /4

1

1

1

1

1

ia r ta e r c e S

o ic g o ó g d d a fa e ri a p x .d o r o lm o A C

s e r o ss e f ro P

o ã ç a rt si in m d a .t i n a S P

o ç r fo e r e d a l a S

lo ip lt ú m o s U

o its ó p e D

a h n i z o C

a s n e p s e D

2

s la a s 5 1 a 2 1 3 M

M – ) 2

ª ª (

C –

s a l a s 1 1 a 8 2 M

2

E – E D F

s la a s 7 a 4 1 M

A

P .

Q

96 A E

se t n e i b m A

A /

D

r o t e ir D

l a u a e d a l a S

V

) m ( t.i n u a e r Á

5 1

1 0 , 2 2 2 1

) % 0 (3

0 ,6 9 6 3

0 ,2 9 5 2

1 8 , 0 6 8 1

4 1

7 ,1 0 8 1 1

) % 0 3 (

5 ,0 4 5 3

0 ,2 9 5 2

2 4 , 3 9 7 1

3 1

3 3 , 8 2 1 1

) % 0 (3

0 5 , 8 3 3

0 ,2 9 5 2

3 ,0 6 2 7 1

2 1

9 ,6 1 1 0 1

) % 0 3 (

1 ,5 3 0 3

0 ,2 9 5 2

0 ,4 4 7 5 1

1 1

3 6 , 0 9 9

) % 0 (3

9 1 , 7 9 2

0 6 , 1 9 1

2 ,4 0 7 4 1

0 1

9 ,7 8 3 9

) % 0 (3

4 6 , 1 8 2

0 ,6 1 9 1

3 ,0 2 1 4 1

9

5 ,9 6 8 8

) % 0 3 (

9 ,0 6 6 2

0 6 , 1 9 1

4 ,6 4 4 3 1

8

1 ,1 5 3 8

) % 0 (3

3 ,5 0 5 2

0 ,6 1 9 1

4 2 ,7 7 2 1

9 6 , 0 6 6 2 1 , 9 0 6

)% 9 2 , 0 8 9 (3 1

0 ,6 9 2 1

) % 0 (3

4 ,7 2 8 1

0 ,6 9 2 1

8 5 , 8 8 9 6 ,4 1 2 9

5

8 ,2 7 5 5

) % 5 2 (

2 ,3 9 3 1

0 ,6 9 2 1

1

4

4 4 , 5 0 5

) % 5 2 (

6 ,3 6 2 1

s o ri á n m o ip i l c t. n a u f m t. . p i e n a D S

a l u a e d s a l a s e d º N

2

) ão aç u itn n o c(

s la a s 5 1 a 2 1 3 M

2 ,3 8 5

.tn a u Q

1

0 ,4 2 3

2

6 ,9 2 1

1

0 ,0 0 0 6

1

0 ,2 9 5 2

2 ,7 9

1

1

8 4 , 6

1

M – ) ) m ( .t i n u a e r Á

2

ª ª (

C –

s la a s 1 1 a 8 2 M

2 ,3 8 5

.t n a u Q

1

5 ,3 8 2

2

2 7 , 9

1

0 ,0 0 0 6

1

0 ,6 1 9 1

2 7 , 9

1

1

8 ,4 6

1

7

) m ( .t i n u a e r Á

8 8 , 8 3

.t n a u Q

1

2

E – E D F

s la a s 7 a 4 1 M

0 ,2 6 1

2 ,7 9

0 0 , 0 0 6

2

1

1

s o n lu a .t i n a S

a ic sí f . d e .t a m . p e D

s e tr o sp e e d ra d a u Q

0 6 , 9 2 1

8 4 , 6

1

1

8 4 , 6

6

A

P .

Q

s e t n e i b m A

V

o ri ó ti e f e R

a z e

o ã p l a G

S

C

*l a t o t b u S

% o ã ç a lc u ri c e d a e r Á

o ã p l a g o o d in 0 0 lu ,6 ,4 ex 9 1 6 ,s 2 7 1 te n ie b ) m 2 a s (m o a d s d í a re . ru ts á )a 3 s 0 n a o c d (2 o l i E a t ró D t F o o ã t a :e a m p t l o n a re S G Á * o F

0 ,2 6 2 8

Arquitetura escolar

97

Área 77,76 m

²

a

Área 58,32 m2

b

10,80 m

8,10 m

60

CD 04

60

60

180

8 1 E M ME 1 7

( 5 x C D03)

m 0 ,2 7

Balcão de atendimento 0 9

5 0 S

CD03 MBR01

E

1 0 B Q ME18 CN 01 CD 04

AR02 MR 0 2

MR 0 2

SSS

Área 51,84 m2

c

d

7,20 m

Área 28,35 m2 (x2) AR09

ES06

4,50 m a s u o L

4,50 m

PE-02

EF-04

pap

PM-81

BR-01

p a p

3 -0 V D

DV-01 p a p

PM-74

3 -0 V D 5 4 -

4 T M 5 4

PM-74

MCP03

m 0 ,3 6

p a p

LI

3 -0 V D

3 0 V

DV-01

DV-01

-

p a

p a p

3 -0 V D

DV-01 0-

p

DV-01

L I

DV-01

m 0 ,2 7

PE-02

EF-04 p a p

rio a g ir e e d d a a c e r a á d

D

EP-01

PM-74

DV-01 p a p

p a

3 -0 V D

p T

DV-04 L

DV-01 p a p

5 4 -

DV-04 L

o

ir

EP-01 5

a ri g

BR-01 e

4 e L

d

d a

I a

c e r

T

a á

L

2 0 S R

MR02

PM-

RS-04 BB- / LT-

DV-01 I

FT- 02

d

2 -0 S R

PM-81

pap

PM-

SO -

SO -

Sanitário masculino

Sanitário feminino

RS-04 FT- 02

BB- / LT-

Área 600,00 m2

e

30,00 m

FQ-01

PT-29 IL -5 0

Q E -0 2

IL-50

CA-06 CA-06

QE-03

QE-03

QE-25 QE-25

Fig. 3.15 Esquemas de alguns ambientes para os projetos escolares administrados pela FDE: (a) Biblioteca; (b) Refeitório; (c) Sala de aula comlayout “centralizado”; (d) Sanitários de alunos; (e) Quadra de esportes Fonte: FDE (1997).

m 0 ,0 0 2

FQ-01 ou FQ-02

FQ-01 ou FQ-02

i = 0,5 %

QE-12 ou QE-14

IL-50

i = 0,5 %

FQ-01

IL-51

QE-02

PT-29

. . Período de 1990 a 2010 As edificações escolares dos últimos trinta anos, na maioria dos Estados, apresentam arquitetura bastante padronizada. Em São Paulo predomina a edificação de três pavimentos, em um bloco monolítico. Como foram desenvolvidas por escritórios terceirizados, há alg uma srcinalidade no tratamento das fachadas. A inclusão da quadra influencia o 98 A E

volume da edificação escolar e, em alguns casos, interfere no desempenho acústico da escola, porque o isolamento das vibrações de atividades esportivas exige detalhamento e qualidade construtiva, nem sempre atingida em contratos de obras públicas. A crítica dos projetistas refere -se ao processo de obras pela lei de licitação e pela contratação do menor preço. A escola do EE Conjunto Habitacional Campinas F1 exemplifica essa arquitetura escolar atual: o espaço interno apresenta fechamentos de alvenaria e elementos vazados de concreto; a topografia do terreno, constituída de pequeno desnível, contribui para a criação de dois grandes pisos: um para o convívio e a administração, inclusive com quadra esportiva, e outro para salas de aula. Os demais itens foram distr ibuídos pelo piso intermediário. O programa com oito salas de aulas foi acomodado em dois setores de modulação padrão (cinco módulos de 7,20 m por um vão de 10,80 m), separados por um vazio central da quadra de esportes coberta, envolta pela circulação de acesso às salas de aula do piso superior. Dessa forma, têm-se as salas de aula comuns de formato quadrado, com dimensões em planta de 7,05 m x 7,05 m e pé-direito de 3,10 m. Alg uns projetos escolares contemporâneos do Estado de São Paulo apresentam aspectos arquitetônicos que fogem do convencional estabelecido, com a proposta de novos fechamentos por venezianas industriais translúcidas e telas metálicas. Pela leitura dos projetos, identificam-se quatro tipos de tipologia predominantes: escolas compactadas e verticais; escolas horizontais com a quadra em seu centro; escolas dispostas em mais de um volume, e escolas longitudinais (Ferreira; Mello, 2006). Foram experimentadas estr uturas metálicas que, atualmente , demonstram ser menos econômicas, mas, em a lguns casos, são indispensáveis, por reduzirem o impacto dos componentes estruturais do projeto, principalmente em prédios em terrenos muito pequenos. A incorporação da sala de informática e da quadra de esportes amplia as funções do prédio e incentiva uma maior utilização. No caso das quadras, quando ligadas ou próximas aos ambientes de vivência/ recreio, cozinha, refeitório, cantina e sanitários, permite-se que atividades de jogos, festas e reuniões sejam constantes, o que gera uma mudança significativa do partido arquitetônico nos projetos apresentados, dando novo valor a esse espaço (Sousa, 1991). Outra característica desses projetos é a incorporação da quadra de esportes coberta, que coincidiu com a utilização dos espaços escolares aos fins de semana pela comunidade (Projeto Escola da Família) e a inserção das salas de informática (Serapião, 2004). No âmbito nacional, as escolas das grandes cidades mostram outras propostas. Em São Paulo, os Centros Educacionais Unificados (CEUs) foram criados prioritariamente em regiões na capital paulista desprovidas

Arquitetura escolar

99

de infraestrutura (Brito Cruz; Ca rvalho, 2004). Com a finalidade de integrar a escola com a comunidade, reúnem-se as ações educativas em um só local, otimizando equipamentos e serv iços. O conceito pedagógico tem como referência o modelo escolar idealizado pelo educador baiano Anísio Teixeira, da década de 1950, com a construção de escolas-parque (Melendez, 2003). A ideia desses projetos escolares, como centros educacionais, é acompanhada de programas pedagógicos bastante abrangentes. Os centros atendem a todos os níveis de ensino, da pré-escola até o ensino profissionalizante. São incluídas as necessidades da comunidade, como bibliotecas públicas, teatro, piscinas e áreas de lazer e de estímulo cultural da população . O ensino é inicialmente programad o para ser em período integral, e a c riança passa o dia todo na escola, com refeições saudáveis, atendimento médico e atividades culturais e sociais após as aulas. Os serviços oferecidos ficam nos blocos de edifícios, para atender à educação infantil e fundamental, e são complementados por blocos para instalação de creches, telecentros, padarias, centro comunitário, teatros, bibliotecas, salas de música e de dança, rádio comunitária, orquestras, ginásio coberto, quadras poliesportivas, pista de skate e piscinas (Brito Cruz; Carvalho, 2004). A Fig. 3.16 mostra a vista aérea do CEU Rosa da China, localizado no bairro de Sapopemba, zona leste paulistana, desenvolvido pela Divisão de Projetos de Edificações (Edif) da Prefeitura Municipal (Melendez, 2003). Percebe-se a semelhança das propostas arquitetônicas com as “escolas-parque” da década de 1940. Além do Centro Brasileiro de Construções e Equipamentos Escolares (Cebrace), subordinado ao Ministério da Educação e Cultura, e dos cadernos técnicos da década de 1970, há o trabalho desenvolvido pelo atual Ministério da Educação (MEC), por intermédio do Programa “Fundo de Fortalecimento da Escola” (Fundescola), que publicou os Cadernos Técnicos: Subsídios para a Elaboração de Projetos e Adequação de Edificações Escolares, vols. 1-4 (MEC, 2002a), com as diretrizes e recomendações técnicas para construções e adequações de escolas públicas. Essas recomendações foram inicialmente elaboradas para atender às regiões Norte, Nordeste e Centro -Oeste do País, consideradas mais carentes quanto à qualidade do ensino público (segundo pesquisas realizadas pelo próprio MEC), e com a finalidade de se estenderem para as demais regiões do País (MEC, 2002a). O trabalho foi sintetizado em fichas técnicas, nas quais se determinou o “Padrão Mínimo” para aplicar na avaliação das escolas existentes e as adequações possíveis, bem como recomendações para a elaboração de novos projetos de estabelecimentos de ensino. As fichas (Fig. 3.17) apresentam alguns condicionantes de projeto, como a área útil por aluno, as dimensões mínimas e alguns parâmetros ambientais, 100 A E

Fig. 3.16 Exemplos de CEU no Município de São Paulo. Autores de projeto: Alexandre Delijaicov e Andre Takiya: (a) Vista da fachada do CEU Rosa da China com corredor lateral; (b) CEU Cidade Tiradentes; (c) CEU Vila Rubi

para assegurar o mínimo de conforto térmico, lumínico, acústico e funcional. As ações pertinentes ao Programa Fundescola concentram-se em estabelecer diretrizes para a execução e assistência financeira suplementar aos projetos educacionais, considerando-se a situação de Estado/Município, por meio do FNDE - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (MEC, 2005).

. O

:

Muitas edificações escolares seguem um projeto padrão. Entretanto, a padronização nem sempre leva em conta situações locais específicas, resultando em ambientes escolares desfavoráveis, com problemas de conforto ambiental. O projeto padrão necessita de flexibilidade, para permitir ajustes a condições peculiares de implantação. O projeto padrão para instituições como escolas, hospitais e creches é uma prática comum em projetos públicos de interesse social, que usam programas de necessidades padronizados das atividades estipuladas pelos órgãos administrativos de equipamentos urbanos. O partido arquitetônico procura atender aos objetivos econômicos, à racionalidade construtiva e à funcionalidade, conforme as especificações da Conesp. Os argumentos

Arquitetura escolar

101

Fig. 3.17 (a) e (b) Exemplos de fichas técnicas da Fundescola Fonte: MEC (2005).

a favor da padronização são a economia pela produção em massa, a redução de custo de projeto e o tempo de elaboração. Defende-se que o produto (projeto e obra) pode alcançar uma qualidade superior em relação às obras não padronizadas, em v irtude da mão de obra especializada em construções 102 A E

repetidas. Essa prática deve resultar em menos falhas na execução, principalmente porque a equipe recebe treinamento para serviços iguais. Outro argumento é que a repetição de obras permite introduzir correções quando o projeto padrão é construído, testado e avaliado. A possibilidade de montagem rápida de módulos pré-fabricados, como as salas de emergência portáteis ou contêineres e as chamadas “escolas de lata”, é outro argumento para defender a padronização em projeto. Outro fator para a utilização de projetos padrão nas edificações públicas é o desejo de que sejam identificadas a uma determinada administração, ou a um determinado momento político. O reconhecimento da tipologia construtiva é considerado importante, como uma assinatura ou um símbolo da gestão. Essa prática é especialmente comum no prédio escolar, a exem-

Arquitetura escolar

103

plo da “era” do Presidente Fernando Collor, na década de 1990, identificada pelos CIACs (Centros Integrados de Apoio à Criança) projetados pelo arquiteto João Filgueiras L ima (Fig. 3.18) (Lima, 1999). Esse projeto seguiu o programa de outro projeto padrão, associado ao governo de Leonel Brizola, no Estado do Rio, identificado pelos CIEPs (Centros Integrados de Educação Pública), com projeto de Oscar Niemeyer, em 1985. Na administração municipal da Prefeita Marta Suplicy, na cidade de São Paulo, foram construídos outros projetos padrão, os CEUs (Centros Educacionais Unificados), projetados por Alexandre Delijaicov , André Takiya e Wanderley Ar iza. Várias dessas propostas são iniciativas isoladas e, muitas vezes, desvi nculadas de um projeto político pedagógico mais amplo, razão pela qual não têm continuidade nem conseguiram atingir os seus objetivos declarados (Ribeiro, 2004).

Fig. 3.18 Exemplo de projeto CIAC, de João Filgueiras Lima (1999): (a) Implantação; (b) Esboço do projeto

104 A E

O projeto dos CIACS tem uma técnica construtiva de argamassa armada em componentes pré-fabricados na própria obra, com um sistema construtivo econômico e leve e, portanto, elogiado pelos avanços tecnológicos na construção civil. Contudo, o fato de ter como base uma técnica construtiva não convencional mostrou ser um problema para a manutenção dessas obras, pelas patologias, como rachaduras em elementos construtivos, que necessitavam de reposição das peças inteiras. Com a entrega da obra, as fábricas de pré-fabricação foram desmontadas, dificultando as reparações. As ampliações também são complicadas, por não aceitarem o uso de téc nicas constr utivas convencion ais. Como mencionado, um dos objetivos dos projetos padrão era criar marcos pela forma facilmente identificada e, em muitos casos, também pela implantação que otimiza a visibilidade dessas obras. Grosso modo, é como se a arquitetura se transformasse em uma marca de determinado governo, responsável pela implantação desse conjunto de obras. No caso dos CEUs, da administração da prefeita Marta Suplicy, o projeto apresenta uma composição formal de volumes. Além da preocupação pedagógica e de pretender servir como praça e ponto de encontro nos finais de semana, os CEUs acumulam a função de “catalisador” urbano, por estarem em áreas de construções precárias. Espera -se que sua presença exerça uma marca positiva no bairro, favorecendo melhorias gerais na região (Bastos, 2009). A construção é um grande bloco de três andares e de quase 200 m lineares; um outro bloco menor, com fachadas cegas e altura maior, abriga um teatro, uma quadra de esportes coberta e salas de ginástica e administração. O volume cilíndrico sustentado em um fuste cilíndrico representa, de acordo com os arquitetos da obra, uma árvore, e abriga uma creche e o jardim de infância. Essa configuração dos espaços para a educação infantil cria problemas, principalmente em relação às áreas internas e externas, por ser rompida e dificultar o acesso das crianças às áreas de recreio e ao parquinho. Na administração municipal subsequente ao projeto dos CEUs, esse problema foi detectado e hoje os ambientes da creche e do jardim de infância ficam no térreo. Esse tipo de problema poderia ser evitado, principalmente em projetos padrão, por meio de processos de projeto mais participativos, que incluem etapas de avaliação para impedir a repetição de erros em construções subsequentes. Os projetos dos CEUs incluem piscinas e áreas de lazer e esportes. Na entrada do complexo educacional, há dois cilindros altos para as caixas de água. Os volumes são considerados importantes para a composição formal do projeto. Mesmo em casos em que era possível substituir a construção dessas caixas de água por reservatórios mais econômicos, em morros adjacentes ao CEU, os cilindros não foram retirados dos projetos. A preservação

Arquitetura escolar

105

do projeto padrão, como marco ou símbolo, era considerada mais importante do que a lógica construtiva, adaptada a uma situação específica. Os CEUs são estruturas de grande porte, para 2.400 alunos, com uma modulação bem marcada. Embora elaborados como protótipos, há muitos problemas e críticas a esses projetos, e que se repetem quase na totalidade de suas unidades. Cada vez que são implantados, esses projetos padrão deveriam ser constantemente melhorados para que se tornassem projetos ótimos e mais afinados, principalmente em função do retorno de avaliações pós-ocupação. Nos CIEPs do Rio de Janeiro, são levantados, além da questão do abandono dessas instituições nas administrações pós -Brizola, os problemas das condições acústicas: o espaço das salas de aula é definido com divisórias que não alcançam o teto e que, portanto, não criam barreiras acústicas entre ambientes. Os CIEPs (Fig. 3.19) foram criados na década de 1980 por Darcy R ibeiro, que era Secretário da Educação do governo Leonel Brizola. Trata-se de instituições idealizadas no Brasil para a experiência de escolarização em tempo integral, voltadas para as crianças das classes populares, buscando atender às suas necessidades e interesses. Foram construídas quase 500 escolas desse tipo durante as duas gestões de Leonel Brizola (Bastos, 2009). O objetivo era proporcionar educação, esportes, assistência médica, alimentos e atividades culturais var iadas, em instituições fora da rede educacional regular. Além disso, essas escolas deveriam obedecer a um projeto arquitetônico uniforme. Alguns estudiosos acreditam que, para criar os CIEPs, Darcy Ribeiro havia se inspirado no projeto Escola -Parque, implementado em Salvador por Anísio Teixeira, em 1950. A ideia dos CIEPs considerava que todas as unidades deveriam funcionar de acordo com um projeto pedagógico único e com uma organização escolar padronizada, para evitar a diferença de qualidade entre as escolas. Recebeu muitas cr íticas, algumas referentes ao custo dos prédios, à qualidade de sua arquitetura, sua localização, e até quanto ao sentido de um período letivo de oito horas. Muitos acreditam que o projeto arquitetônico tinha primazia sobre o pedagógico, sobretudo pela ausência de equipes de educadores qualificados para esse projeto educacional. Pela concepção de Niemeyer, cada CIEP é composto de três constr uções distintas: o Prédio Principal, o Salão Polivalente e a Biblioteca. O Prédio Principal tem três pavimentos ligados por uma rampa central: no térreo, há um refeitório com capacidade para 200 pessoas e uma cozinha para cozinhar desjejum, almoço e lanche para até mil crianças; no outro e xtremo do pavimento térreo, fica o centro médico e, entre este e o refeitório, um amplo recreio coberto. Nos dois pavimentos superiores estão as salas de aulas, um auditório, as salas especiais (Estudo Dirigido e outras atividades) e as insta106 A E

lações administrativas. No terraço, uma área é reser vada para ativiFig. 3.19Exemplos de projetos de CIEPs, dades de lazer e dois reservatórios de água. O Salão Polivalente é um concepção de Oscar Niemeyer, 1985: a) Cesar Pernetta; b) Ulysses Guimarães ginásio desportivo coberto, com arquibancada, vestiários e depósito para guardar materiais. A Biblioteca para atender os alunos serve para consultas individuais, em grupos supervisionados, e também para a comunidade. Sobre a Biblioteca, há uma residência, com alojamentos para doze crianças (meninos ou meninas), que podem morar na escola em caso de necessidade, sob os cuidados de um casal (que dispõe de quarto próprio, sala comum, sanitário exclusivo e cozinha). Em terrenos onde não é possível instalar as três construções do Projeto Padrão, foi elaborada uma alternativa, denominada CIEP compacto, composto apenas pelo Prédio Principal, com a quadra coberta, os vestiários, a Biblioteca e as caixas d’água no terraço. A implantação dos CIEPs necessitava de terrenos de dez mil metros quadrados. A dificuldade de contar com grandes terrenos nas áreas urbanas do Rio de Janeiro levou a uma solução mais compacta, com quadra esportiva na cobertura do edifício escolar, que compromete as condições acústicas, principalmente nas salas de aula (Bastos, 2009). A definição tecnoconstrutiva dos CIEPs contemplava o uso de estr utura de concreto pré-moldada em usina, solução justificada pela escala do programa e rapidez da execução, em apenas seis meses. Segundo Oscar Niemeyer, da ideia de co nstruir escolas em série surgiu naturalmente a utilização do pré-fabricado, para torná-las multiplicáveis, econômicas e rápidas de construir: nesses casos, é a economia que exige a repetição e o modulado. Mas, a despeito de toda a lógica, surgiram diversas críticas ao Programa Especial de Educação, com base em uma ideia equivocada de que o CIEP é uma escola suntuosa e muito cara. Nos CEUs, questiona-se o projeto de salas de aula agrupadas no centro do volume principal. A circulação ver tical, nas ext remidades e no centro do bloco principal do projeto, distribui-se nos andares em dois corredores late-

Arquitetura escolar

107

rais, como varandas. Os grandes caix ilhos de vidro das salas de aula abrem para esses corredores, com evidentes conflitos acústicos e de privacidade. Faltam também condiç ões mínimas de ventilação cru zada nas salas de aula, uma exigência da maioria das normas para salas de aula no Brasil. Nos CIACs, também há um problema com aberturas, pois o projeto das esquadrias é pivotante. Essas janelas são controladas em conjuntos de vár ios painéis, montados na altura das mesas da sala de aula. O projeto dessas esquadrias cria problemas de segurança física, podendo causar acidentes, principalmente quando as criança s tentam abrir ou fechar a janela. Outro problema desse tipo de esquadria é a interferênc ia no espaço funcional da sala, pois dificulta a disposição de mesas e a colocação de cortinas e persianas. Muitos dos projetos padrão mencionados foram construídos próximo a corredores de transporte de grande movimento. Mais uma vez, essa decisão sobre o local de implantação deve-se a fatores políticos: o local é escolhido em função da sua visibilidade, o que nem sempre significa que é adequado a uma escola, devido à poluição sonora das avenidas, além de não permitir aos alunos o acesso seguro. Os CEUs ocupam áreas nas partes mais carentes do município de São Paulo, com a proposta de oferecer um programa educacional amplo, que inclui esportes e áreas artísticas. Mas, por falta de terrenos nesses bairros populares, a maioria dos CEUs localiza -se em fundos de vale, perto de córregos. Essa implantação foi defendida conceitualmente como uma maneira de valorizar os c ursos de água da Gra nde São Paulo, mas a ocupação é crit icada por ocupar áreas que deveriam ser vir para o escoamento de águas pluviais e para a preservação de áreas permeáveis no tecido urbano. Em centros urbanos bastante consolidados, muitas vezes os fundos de vale são os únicos vazios urbanos disponíveis para novas construções públicas. Por causa de falhas no planejamento urbano, as áreas para escolas, postos de saúde, estações de tratamento de água, esgoto etc. não são previamente reservadas, surgindo necessidades de emergência nem sempre adequadamente solucionadas. Os argumentos contra a utilização de projetos padrão são pouco divulgados nas discussões sobre arquitetura escolar no Brasil. Em outros países, são chamados de stock plans, prototypes, rubberstamp ou cookie cutter architecture. A estandardização de projetos é criticada por não levar em conta as peculiaridades do local e do momento da construção, além de faltar uma adequação às situações específicas. Os dados mostram que o projeto padrão desencadeia a proliferaçã o de fal has, quando deveria ocorrer e xatamente o processo inverso. Na verdade, o que se observa é um processo no qual faltam correções no processo da repetição e avaliações pós-ocupação comprome108 A E

tidas e responsáveis, o que gara ntiria implantações futuras com índices de satisfação e qualidade cada vez maiores. O principal aspecto ignorado pelos projetos padrão é a implantação (Barros, 2002). A orientação solar e de ventos dominantes é peculiar a cada situação e demanda ajustes para a proteção solar das aberturas, sem prejuízo à captação de ventos desejáveis. O formato do lote, a topografia e as condições geológicas nunca são iguais. São necessários ajustes dos acessos à edificação, afastamento de fontes de ruído, sistema estrutural, drenagem e conexões das infraestr uturas. A adaptabilidade do projeto a situações variáveis de topografia e formato de lote nem sempre é simples ou eficiente, pois os ajustes, muitas vezes, indicam modificações substanciais, que tiram a vantagem da redução do custo do projeto como protótipo. Outro fator que deve ser levado em conta é que cada oportunidade de uma nova construção é também um momento importante para questionar antigas premissas. A comunidade pode participar na definição do programa de necessidades, na metodologia de ensino de uma escola, no seu tamanho e no melhor lugar para a sua implantação. Argumenta-se que o projeto padrão tem a obsolescência embutida. Muitas vezes, em virtude das formas e técnicas construtivas, esse projeto demanda fornecedores específicos e mão de obra especializada, que criam dificuldades nas licitações e aumentam os custos de uma obra. Há também o problema da monotonia das repetições. O carimbo estampado na área urbana, como uma produção em série, é considerado inadequado para servir à sociedade e não contribui positivamente para a paisagem urbana. A padronização construtiva não é uma prática nova, pois desde a época romana havia uma sistematização da construção, imposta pelo governo. Na renascença italiana, essa prática foi reforçada por uma padronização estilística. Após o grande incêndio de Londres, em 1666, normas foram criadas, e promulgou-se a padronização de projetos de moradias, com o objetivo de aumentar a segurança de usuários de edificações urbanas (Kostof, 1995). A modernidade estabeleceu para a arquitetura deste século várias premissas. A produção industrial influenciou a construção civil com a aplicação intensa da tecnologia, racionalidade e aumento de produção, implicando uma padronização de projeto e de seus elementos, o que levou a uma arquitetura de massas, com normas universais para acomodações mínimas (Rowe, 1995). O resultado arquitetônico dessas premissas nem sempre atende às aspirações reais de satisfação, deixando de lado as par ticularidades do tempo, do espaço e da cultura. Nos países em desenvolvimento, a padronização do projeto e o funcionalismo na sua forma mais pura foram aplicados aos projetos de interesse

Arquitetura escolar

109

social, como habitação e instituições, que nunca deveriam ostentar riquezas ou estética diferenciada e ma nter uma imagem institucional (Newman, 1972). Os projetos de conjuntos habitacionais e seus equipamentos comunitários refletem a imposição dessa filosofia, pelas edificações despidas de todo e qualquer elemento que não reflita a funcionalidade e objetividade do programa do projeto. Nos anos 1970, o funcionalismo perdeu força, simbolizado pela implosão do conjunto habitacional Pruitt-Igoe, pela inadequação da arquitetura de massas, projetada para servir a todos e, ao mesmo tempo, a ninguém (Rowe, 1995). Apesar dessa discussão e da evidência dos resultados, a implantação de projetos padrão continua nos programas da maioria das instituições do Brasil. Neste capítulo, situou-se a arquitetura escolar como componente importante no planejamento educacional do País. As políticas governamentais para a educação devem, portanto , considerar que fazem parte do cur rículo, além de conteúdos escolares e práticas desenvolvidas nos espaços da escola, o aspecto da arquitetura escolar. A história da arquitetura escolar, principalmente no Brasil, retrata as preocupações dos órgãos responsáveis pelo planejamento do ensino na elaboração de diretrizes básicas de projeto, porém essas diretrizes nem sempre se baseiam em pesquisas técnicas e científicas para determinar as especificações. Utilizam -se experiências reais, implantando-se as escolas para só depois verificar o retorno quanto aos recursos técnicos utilizados e o comportamento da comunidade. As avaliações do desempenho dos espaços de ensino, apresentadas no próximo capítulo, são importantes para melhorar o ambiente escolar e devem influenciar o processo de projeto para uma arquitetura escolar de qualidade.

110 A E

View more...

Comments

Copyright © 2017 KUPDF Inc.
SUPPORT KUPDF